sábado, 27 de fevereiro de 2010

PAPEL / PAPER




"Todos se lembram de livros, mas a minha relação com a Minerva começa com a compra do meu Mac"
Maimuna Adam





"Everybody thinks about books, but my relationship with Minerva begins with the purchase of my Mac"
Maimuna Adam

domingo, 21 de fevereiro de 2010

DESENHO




Lourenço Dinis Pinto nasceu em Maputo em 1980.
Fez o curso de design gráfico da Escola de Artes Visuais em Maputo e de arquitectura na Universidade Eduardo Mondlane.

Apresenta os seu trabalhos desde 1998, em exposições colectivas e individuais, tanto em Moçambique como no estrangeiro.
Os seus desenhos constam de diversas colecções nacionais e internacionais.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

DESENHO



Celestino Mudaulane nasceu a 7 de Março de 1972 em Maputo. 
Terminou o curso de Cerâmica da escola Nacional de Artes Visuais em 1992 e no ano seguinte iniciou a sua carreira de docente naquela instituição onde ainda lecciona. Frequenta o curso de História da Universidade Eduardo Mondlane.

Participou em diversos estágios e workshops dentro e fora do país.
Com diversas participações em exposições, individuais e colectivas, os seus trabalhos encontram-se em diversas colecções particulares, nacionais e internacionais.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

ESCULTURA

Nascido em Agosto de 1963 em Quelimane, Gemuce (Pompílio Hilário) foi estudante da Escola Nacional de Artes Visuais até 1985, onde fez o ensino médio do Curso de Cerâmica. É licenciado em Belas Artes pelo Instituto de Belas Artes de Kiev, Ucrânia, em 1990. Mestre em Pintura de Murais pela Academia de Belas Artes de Kiev, Ucrânia, em 1993 e em Concepção, Decisão e Gestão de Projectos Culturais pela Universidade FCP3 Sorbonne Nouvelle, França, em 2001.
É docente das Escola Ncional de Artes Visuais desde 1994. Entre 1993 e 1994, foi sócio fundador e gerente da Galeria de Arte UGUPU, em Maputo e é membro fundador e presidente do Movimento de Arte Contemporânea de Moçambique - MUVART. Trabalhou como consultor em vários sectores ligados a artes visuais  entre os quais o Ministério da Cultura, Museu Nacional de Arte, Triangle Art Trust-UK, Bienal de Cape África (África do sul).
Desde 1991 já realizou mais de uma dezena de Exposições Individuais e inúmeras colectivas, em países como Noruega, Finlândia, Brasil, África do Sul, Espanha, Portugal, Alemanha, Senegal, Itália, Moçambique, Namíbia, Rússia e Inglaterra. A sua obra está representada em várias colecções particulares nacionais e estrangeiras.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

ESCULTURA




Nascido em 1975, em Maputo, Gonçalo Mabunda iniciou a sua carreira como assistente de galerista no Núcleo de Arte, associação a que se mantém ligado até hoje.

Depois de ter estudado em Moçambique e África do Sul, tem trabalhado a tempo integral como um artista desde 1997. Com exposições individuais e colectivas em diferentes pontos do mundo, o seu trabalho com ferro tem recebido diversos prémios. Em 2008 criou a peça que constituiu o galardão Clinton Global Iniciative, foi convidado pela prestigiada vidreira Daum para criar uma série de esculturas em cristal e uma das suas peças integrou a mostra colectiva que marcou a reabertura do Museu de Arte e Design em New York. As suas peças integram inúmeras colecções públicas e privadas de todo o mundo.
 



Em 2009, com Mauro Pinto e Tina Lorizzo,  iniciou o projecto Karl Marx dezoitotrintaquatro, abrindo as portas de sua casa e transformando-a numa galeria com mostra de autores nacionais e estrangeiros.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

FOTOGRAFIA

Mauro Pinto nasceu em Maputo em 1974
Nos anos 90 Mauro Pinto decide fazer um curso de fotografia pela «Monitor International School» e na mesma altura teve um estágio com o fotógrafo José Machado. Daí para cá, assume a fotografia como profissão.Participou em diversos workshops e tem tido oportunidade de trocar experiências com fotógrafos como Trygve Bolstad, Ricardo Rangel, Karl Kugel entre outros.
Participou em diversas exposições individuais e colectivas, em diferentes países de África e da Europa. Os seus trabalhos fotográficos estão publicados em livros, revistas e catálogos e estão em diversas colecções particulares e institucionais.
Em 2009, com Gonçalo Mabunda, inicia o projecto Karl Marx 1834, transformando a residência deste numa galeria que acolhe projectos de artistas nacio nais e estrangeiros.

VÍDEO

Maimuna Adam (aqui)

Nascida em Maputo em 1984, fez a sua formação na Swazilandia e África do Sul. Licenciou-se em 2008 pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Pretória. Conta já com experiência de docência e de tradução ligada às artes, e participa em diversos workshops e seminários.
Integrou exposições colectivas, tendo recebido menção honrosa na  Bienal TDM 2009 com o vídeo “A cortina”. 

sábado, 13 de fevereiro de 2010

MUDAULANE



Av 25 de Setembro

OCCUPATION


oc⋅cu⋅pa⋅tion

[ok-yuh-pey-shuhn]  Show IPA
–noun
1.a person's usual or principal work or business, esp. as a means of earning a living; vocation: Her occupation was dentistry.
2.any activity in which a person is engaged.
3.possession, settlement, or use of land or property.
4.the act of occupying.
5.the state of being occupied.
6.the seizure and control of an area by military forces, esp. foreign territory.
7.the term of control of a territory by foreign military forces:Danish resistance during the German occupation.
8.tenure or the holding of an office or official function: during his occupation of the vice presidency.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

DECLARAÇÃO

CONCEPT


As the title points to: the temporary occupation of a space by contemporary artworks. An informal space, within what is defined as a space for the presentation of art works, an occupation which intervenes in a space without the alteration of the latter.
Conceptually this project aims to allow for a new reading of artworks and spaces, an opening to the glance of the citizen which is simultaneously invited to occupy areas which are more or less reserved. On a circuit of exhibition spaces throughout the city a route is followed which is also a journey through the art production of contemporary Mozambican artists.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

OBJECTIVO

Através de uma exposição de arte contemporânea dividida por diferentes espaços da cidade pretende-se:
- Divulgar , ao público em geral, a criação contemporânea em Moçambique
- Atrair a atenção de críticos, coleccionadores e galeristas internacionais para o potencial artístico moçambicano
- Divulgar Maputo enquanto destino de turismo cultural